Comando chmod no Linux com exemplos

Última atualização em

Ao trabalhar com arquivos e diretórios no Linux, o comando chmod é uma ferramenta vital em seu arsenal. Como um acrônimo para ‘Change Mode’, o comando chmod foi projetado para ajudar os usuários do Linux a ajustar as permissões de arquivos ou diretórios. Este comando, repleto de versatilidade, é crucial para um gerenciamento de arquivos seguro e eficiente. Vamos mergulhar nas complexidades do comando chmod e explorar como ele pode ser colocado em uso prático.

Compreendendo o comando chmod no Linux

O que é o comando chmod?

O comando chmod é um utilitário de linha de comando do Linux para modificar o modo do sistema de arquivos. Este modo determina os tipos de permissões que usuários e grupos têm sobre arquivos e diretórios. Essas permissões regulam quem pode ler, gravar e executar os arquivos especificados.

Por que usar o comando chmod?

No Linux, arquivos e diretórios são recursos compartilhados. Para proteger esses recursos, é necessário gerenciar as permissões de acesso. O comando chmod permite controlar essas permissões e garantir a segurança do sistema. Quer você seja um administrador de sistema protegendo dados confidenciais ou um desenvolvedor configurando um projeto, a compreensão chmodé uma necessidade.

Compreendendo a sintaxe do comando chmod

O comando chmod segue a sintaxe abaixo:

chmod [OPTIONS] MODE[MODE]... ARQUIVO...

OPTIONS podem ser parâmetros opcionais que fornecem funcionalidade adicional, MODE especificam as permissões a serem definidas e FILE são o arquivo ou diretório cujas permissões serão alteradas. chmod possui dois métodos principais para definir permissões: Modo Numérico e Modo Simbólico.

Diferentes opções do comando chmod

Comando chmod sem nenhuma opção

Por padrão, sem nenhuma opção, chmod altera as permissões do arquivo para o modo especificado pelo usuário.

chmod 755 arquivo.txt

mudando permissão de arquivo com chmod

O comando acima modifica as permissões de ‘arquivo.txt’ para que o proprietário tenha permissões de leitura, gravação e execução (7), e o grupo e outros tenham permissões de leitura e execução (5).

Comando chmod com opções

Várias opções podem ser usadas chmod para estender sua funcionalidade:

  • R ou –recursive: Altera arquivos e diretórios recursivamente.
  • -f ou –silent ou –quiet: Suprime a maioria das mensagens de erro.
  • -v ou –verbose: Gera um diagnóstico para cada arquivo processado.
  • –reference=RFILE: Define permissões para corresponder às de RFILE.

Compreendendo as permissões de arquivo com chmod

As permissões no Linux são indicadas por três caracteres:

  • r (ler): A permissão para ler o conteúdo do arquivo.
  • w (gravar): A permissão para modificar ou excluir o arquivo.
  • x (executar): A permissão para executar o arquivo.

Por exemplo, um arquivo com rwx permissões para o usuário significa que o usuário pode ler, gravar e executar o arquivo.

Modos Numérico e Simbólico em chmod

Existem duas maneiras de alterar as permissões com chmod:

  • Modo numérico: este modo usa números para representar permissões. Ler é 4, escrever é 2e executar é 1. Para definir permissões, esses números são somados. Por exemplo, para dar ao usuário permissões de leitura, gravação e execução (7), você usaria o comando:
chmod 700 nomedoarquivo
  • Modo Simbólico : Este modo usa símbolos para representar usuários ( u para usuário, g para grupo, o para outros) e permissões ( r para leitura, w gravação, x execução). Por exemplo, para adicionar permissões de execução ao usuário, você usaria o comando:
chmod u+x nomedoarquivo

Exemplos comuns de comando chmod

Com uma compreensão de como as permissões e o chmod comando funcionam, vamos explorar alguns exemplos práticos.

Exemplo 1: Alterando permissões usando o modo numérico

chmod 755 nomedoarquivo

Este comando altera as permissões de ‘nome do arquivo’ para que:

  • O usuário (proprietário) possui permissões de leitura (4), gravação (2) e execução (1) – totalizando 7.
  • O grupo e outros têm permissões de leitura (4) e execução (1) – totalizando 5.

Em outras palavras, o proprietário tem acesso total, enquanto os membros do grupo e outros podem ler e executar o arquivo, mas não podem modificá-lo.

Exemplo 2: Alterando permissões usando o modo simbólico

chmod u+x nomedoarquivo

Este comando adiciona permissão de execução para o usuário em ‘nome do arquivo’. Aqui está o detalhamento:

  • u: Representa o usuário.
  • +: indica que uma permissão está sendo adicionada.
  • x: significa permissão de execução.

Então, em linguagem simples, este comando diz ao sistema: “Adicione ( +) permissão de execução ( x) para o usuário ( u) para este arquivo (‘nome do arquivo’)”.

Exemplo 3: Removendo permissões

chmod go-w nomedoarquivo

Este comando remove as permissões de gravação do grupo e de outros de ‘nome do arquivo’. Em detalhe:

  • go: Significa grupo e outros.
  • – : significa que uma permissão está sendo removida.
  • w: Representa permissão de gravação.

Portanto, este comando está removendo a permissão de gravação tanto do grupo quanto de outros usuários, aumentando a segurança do arquivo.

Exemplo 4: Configurando todas as permissões

chmod ugo+rwx nomedoarquivo

Este comando concede todas as permissões a todos os usuários para ‘nome do arquivo’. A repartição é a seguinte:

  • ugo: Representa usuário, grupo e outros.
  • +: indica que permissões estão sendo adicionadas.
  • rwx: significa permissões de leitura, gravação e execução.

Efetivamente, este comando abre o ‘nome do arquivo’ para todos, que deve ser usado com cautela, considerando as implicações de segurança.

Exemplo 5: Usando chmod com opção -R

chmod -R 755 nomedodiretorio

Este comando altera as permissões de todos os arquivos e diretórios recursivamente em ‘nome do diretório’.

  • -R: significa ‘recursivo’ e é usado quando queremos alterar as permissões de todos os arquivos e diretórios dentro de um diretório.

Aqui, este comando concede permissões completas ao proprietário e permissões de leitura e execução para agrupar e outros para ‘nome do diretório’ e todos os seus arquivos e diretórios aninhados.

Exemplo 6: Alterando permissões de grupo

chmod g-wx nomedoarquivo

Este comando remove as permissões de gravação e execução do grupo para ‘nome do arquivo’. Aqui está a explicação:

  • g: Representa o grupo.
  • -: indica que as permissões estão sendo removidas.
  • wx: representa permissões de gravação e execução.

Como resultado, os membros do grupo associado ao ‘nome do arquivo’ não poderão mais modificá-lo ou executá-lo.

Exemplo 7: Alterando múltiplas permissões

chmod u=rwx,g=rx,o=r nomedoarquivo

Este comando define permissões diferentes para diferentes tipos de usuários. Aqui está o que ele faz:

  • u=rwx: define as permissões do usuário para ler, gravar e executar.
  • g=rx: define as permissões do grupo para leitura e execução.
  • o=r: define as permissões do outro como somente leitura.

Isso permite controlar os níveis de acesso para diferentes tipos de usuários de maneira granular.

Exemplo 8: Permissões de cópia

chmod --reference=arquvio1 arquivo2

Este comando copia as permissões de ‘arquivo1’ e ‘arquivo2’.

  • –reference=arquivo1: indica que ‘arquivo1’ é o arquivo de referência do qual as permissões serão copiadas.

Este comando é particularmente útil quando você deseja aplicar rapidamente as mesmas permissões a vários arquivos.

Exemplo 9: Alterando permissões usando Sticky Bit

chmod 1757 diretorio

Este comando define o sticky bit (1) e as permissões (757) para ‘nome do diretório’.

  • O sticky bit (1) garante que apenas o proprietário do arquivo, proprietário do diretório ou usuário root possa excluir ou renomear arquivos.
  • 757: define as permissões do usuário para ler, gravar e executar (7), e as permissões do grupo e de outros para ler, gravar e sticky bit (5, 7).

Isso é especialmente útil para diretórios compartilhados por vários usuários, como /tmp, para evitar que os usuários excluam ou renomeiem os arquivos uns dos outros.

Exemplo 10: Usando chmod com comando Find

find . -type f -exec chmod 644 {} \;

Este comando encontra todos os arquivos regulares no diretório atual e seus subdiretórios e altera suas permissões para 644(leitura/gravação para proprietário e leitura para grupo e outros).

  • find . -type f: localiza todos os arquivos no diretório atual e seus subdiretórios.
  • -exec chmod 644 {} \;: altera as permissões de cada arquivo encontrado.

Este comando é útil quando você deseja alterar as permissões de vários arquivos com base em determinados critérios.

Exemplos avançados de comando chmod

Como acontece com qualquer comando do Linux, o chmod tem alguns truques na manga que podem tornar sua vida ainda mais fácil. Vamos nos aprofundar nesses exemplos avançados.

Exemplo avançado 1: alteração de permissões recursivamente

chmod -R 755 diretorio

Este comando altera as permissões do diretório e todo o seu conteúdo de forma recursiva. Aqui está o que ele faz:

  • -R: Esta é a opção recursiva. Aplica a alteração aos diretórios e aos arquivos dentro desses diretórios.
  • 755: define as permissões do usuário para ler, gravar e executar (7), e as permissões do grupo e de outros para ler e executar (5).

Isso é especialmente útil quando você deseja alterar as permissões de um diretório e de todos os arquivos e subdiretórios dentro dele.

Exemplo avançado 2: configuração de Setuid, Setgid e Sticky Bits

chmod 4755 arquivo
chmod 2755 diretorio
chmod 1755 diretorio

Esses comandos definem os bits setuid, setgid e sticky para um arquivo ou diretório:

  • O bit setuid (4): Quando definido em um arquivo, permite que os usuários executem o arquivo com as permissões do proprietário do arquivo.
  • O bit setgid (2): Quando definido em um diretório, faz com que novos arquivos e subdiretórios criados dentro dele herdem seu grupo, em vez do grupo primário do usuário criador.
  • O sticky bit (1): Protege a remoção de arquivos dentro de um diretório. Quando definido, os arquivos só podem ser excluídos pelo proprietário, pelo proprietário do diretório ou pelo usuário root.

Exemplo avançado 3: alterando permissões apenas de diretórios

find /path -type d -exec chmod 755 {} \;

Este comando altera as permissões apenas dos diretórios em um determinado caminho, deixando os arquivos como estão:

  • find /path -type d: Encontra todos os diretórios no caminho fornecido.
  • -exec chmod 755 {} \;: altera as permissões de cada diretório encontrado.

Este comando é útil quando você deseja alterar as permissões apenas dos diretórios e não dos arquivos.

Exemplo avançado 4: alterando permissões apenas de arquivos

find /path -type f -exec chmod 644 {} \;

Este comando altera as permissões apenas dos arquivos em um determinado caminho, deixando os diretórios como estão:

  • find /path -type f: Encontra todos os arquivos no caminho fornecido.
  • -exec chmod 644 {} \;: altera as permissões de cada arquivo encontrado.

Este comando é útil quando você deseja alterar as permissões apenas dos arquivos e não dos diretórios.

Exemplo avançado 5: Tornando um script executável por todos

chmod +x nomedoscript

Este comando adiciona a permissão de execução ao usuário, grupo e outros para ‘nomedoscript’:

  • +x: Adiciona permissão de execução.

Esta é uma operação comum quando você cria um novo script e deseja torná-lo executável.

Conclusão

O comando chmod é um utilitário essencial no Linux para gerenciar permissões de arquivos. Desde o uso básico até técnicas mais avançadas, como alterações recursivas e configuração de bits especiais, a compreensão chmodé a chave para um gerenciamento eficaz de arquivos Linux. Com os exemplos dados, você poderá definir permissões com segurança de acordo com suas necessidades e aumentar sua produtividade no ambiente Linux.

Também pode te interessar

Publicidade